–

Vivia confusa, não sabia aonde ir.

Esquerda ou direita, nunca conseguia se decidir; apenas seguia.

Sempre reto, como alguém que opta por não escolher mas que uma hora da de cara na parede.

Por que não decidir que caminho tomar? Por que as escolhas eram tão difíceis?

– Eu sei lá –

Era sempre isso, “eu não sei”, “tanto faz”, “talvez”.

Era sempre esse bando de alternativas falhas.

Nunca nenhuma certeza.

Tinder reflexivo

Tinder reflexivo

O meu perfil era lindo, mas abro mão pela licença poética:

A mulher perfeita? Histórias novas? Riso leve? Sexo fácil? Um amor?

Tudo aqui é bem vazio e fútil, não passa de um cardápio onde as pessoas idealizam diversas coisas. São muitas opções para tapar o vazio que existe dentro de cada um de nós. Um vazio que te consome e te encanta.

É fácil rir com os estranhos, o difícil é mantê-los estranhos. O vazio pode se fechar constantemente, a cada match e eu te juro que isso será mais fácil do que mudar. Do que se reinventar. Pois a ideia de ter um abrigo pode até mesmo parecer perfeita para alguns, mas a realidade é que para algumas pessoas ter um abrigo gera a insegurança da mentira. Tudo caminha e parece perfeito, no entanto quando chegam as chuvas as falhas aparecem e o perfeito se torna uma mera ilusão.

Procuram o que não tem. Idealizam o que não são. Querem sempre um troféu para se vangloriar de suas conquistas e para engrandecer o seu ego. Futilidades. Um universo paralelo onde você tem a ilusão de escolher quem vai amar ou simplesmente transar.

Talvez um dia você mude de ideia e veja que para o vazio sarar você só devesse se amar…. Enquanto não, solidariedade a perda de tempo. Tanto sua, quanto minha.

Olhe em volta

Olhe em volta

Desejei por horas ter um notebook por perto, só queria compor minha nova história sossegada e tranquilamente acomodada. Parecia genial o lugar, o tempo, os sentidos aflorados, pena que não havia o meu material de criação. Pensei em desistir. Hesitei. Comecei a dedilhar naquele velho e pequenino caderninho coisas das quais nem imaginei um dia conseguir criar.

Olhei as pessoas ao meu redor, tão cheias de si e tão cheias de todos. Problemas daqui e dali. Situações inacabadas, casamentos quase arruinados, filhos desorientados. Surpresas das quais não pensamos bem até surgirem, dúvidas e decisões que se tornam cada vez mais difíceis. Também observei a beleza que existia por trás de cada sorriso, por trás de cada risada. Notei até mesmo o canto dos pássaros, o que trazia certa calmaria ao lugar.

Um zigue zague tremendo, pessoas indo e vindo. Assim como na vida algumas eram incertas, não sabiam nem para onde iriam, já outras caminhavam seguras, sabiam exatamente onde estavam e onde queriam estar.

Durante horas observei. Uma arte, eu diria. Que dadiva!

Havia uma música ao fundo, o que tornava aquele momento mais agradável e que junto com o cantarolar dos pássaros, trouxe certa paz de espírito. Escrever nunca foi tão relaxante e revigorante.